top of page

Patagon M&A - Varejo - Gazin compra rede Radisco, do Pará, em sua primeira aquisição





O grupo varejista Gazin, do setor de eletroeletrônicos e móveis, fechou a aquisição da rede Radisco Magazine, sediada em Capanema (PA) e com 16 lojas no Estado. A transação ainda inclui um centro distribuição que atende o nordeste do Pará. É a primeira compra de uma rede pelos donos da Gazin, fundada em 1966 na cidade de Douradina (PR).


A operação foi fechada depois da expansão mais acelerada, entre 2019 e 2020, do Magazine Luiza e da Casas Bahia no Pará, levando a um acirramento maior da concorrência em certas cidades.


O Valor Econômico apurou que os sócios da Radisco, em operação há 60 anos, decidiram parar de atuar no varejo e buscaram interessados na rede — a atual gestão já deixou o negócio, numa transição do comando para a Gazin neste mês. A empresa não informa o valor da transação. Segundo fontes, a Radisco fatura ao ano cerca de R$ 150 milhões e os novos donos querem tentar chegar a uma venda anual de R$250 milhões em cerca de um ano.


Com a transação, a Gazin amplia a atuação no Pará — onde a rede já opera desde 2011, com 25 unidades — aumentando em cerca de 60% a base de pontos no Estado, onde também tem dois centros de distribuição. O total de lojas adquiridas corresponde à média anual de inaugurações da empresa por ano. “Nós já abrimos em média de 15 a 16 lojas no ano, e queríamos crescer em áreas onde não estávamos tão maduros, como o Pará, e a Radisco surgiu exatamente com esse número de aberturas que tínhamos em mente, e na área que analisávamos. Foi oportunidade”, disse Maurício Churkin, diretor administrativo da Gazin.


“Mesmo com o mercado mais difícil para alguns, com juros e inflação, somos bem conservadores, temos uma governança já instalada e fomos formando um caixa robusto para aproveitar esses momentos”, acrescentou. O balanço de 2021 mostra saldo de caixa R$ 367 milhões. O grupo fechou o ano passado com 305 unidades e vendas líquidas de R$ 5,7 bilhões, leve alta de 3% sobre 2020. O lucro líquido alcançou R$ 544 milhões, um avanço de 20%.


A Gazin deve manter a marca Radisco nas lojas por alguns anos — a empresa não especifica prazos. Uma parte pequena dos imóveis manterá como donos os sócios da Radisco, que receberão aluguel pelos pontos. “Vamos rever ‘mix’ da rede e reforçar a política de crédito para o comprador dessa região que, muitas vezes, opera na informalidade e tem no varejo um parceiro. E ainda há projeto de começar a construir uma fábrica de colchão no Pará em 2023, que atenderá às lojas”, disse Churkin.


No Brasil, há lojas da Gazin em 10 Estados, além de sete indústrias de colchões e estofados, uma indústria de molas e 23 centros de distribuição.


O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou a transação no dia 3 de agosto. O escritório Martinelli Advogados assessorou a Gazin na operação. “O mercado de fusões e aquisições está bom para quem tem caixa e pode fechar um ‘deal’ nesse momento de reavaliação dos preços dos ativos”, diz Guilherme Gama, advogado do Martinelli que liderou a transação.


Nos últimos três anos, a concorrência se acelerou no Norte, especialmente no Pará — a Casas Bahia (controlada pela Via) abriu mais lojas em Belém e o Magazine Luiza fechou contrato de cessão comercial de 39 pontos do Armazém Paraíba no Estado. Esse movimento, que leva redes com escala a serem mais competitivas, já teria levado cadeias regionais a considerarem a hipótese de se desfazer de lojas, dizem fontes.


Leia mais em Valor Econômico.

Posts Em Destaque
Ainda não há posts publicados nesse idioma
Assim que novos posts forem publicados, você poderá vê-los aqui.
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
bottom of page