Patagon M&A - Reciclagem - Como o banheiro plástico do filtro — pelo shampoo



Cada vez que você lava a cabeça com shampoo, uma tartaruga morre no oceano.


OK, não é bem assim, mas o impacto ambiental é maior do que você imagina.


As garrafas plásticas otimizadas de carbono e não costumam ser reparadas no tempo de degradação é de 400 anos. E como boa parte do shampoo (80% em média) é água, os shampoos em garrafa voltam a gerar na hora do transporte. É pesado.


Para resolver esse problema, a BOB acaba de levantar uma rodada para fabricar shampoos, condicionadores e produtos de skincare em barra — sem água, sem plástico e com ingredientes naturais e veganos.


O cheque veio do GHT4, o multifamily office de Laércio Cosentino, o fundador da Totvs; Guga Valente, do grupo ABC; Rodrigo Vella, sócio do Vella Pugliese Buosi e Guidoni Advogados; e Caio Ibrahim David, o ex-CEO do Itaú BBA.


O GHT4 está comprando uma participação minoritária não revelada na BOB A empresa também não revelou o valor da rodada.


Fundada no final de 2019, a BOB (acrônimo para Bars over Bottles) crescendo num ritmo expressivo, ancorada em grande parte por seu apelo sustentável num mundo cada vez mais preocupado com o meio ambiente.


Ano passado, ela fez mais de 250 mil vendas com um tíquete ao médio de R$ 100.


Em janeiro, conforme as vendas fecharão 30 mil pedidos ea espera em este ano é dobrando o volume de vendas em fechamento de pedidos.


A BOB é uma DNVB ( digitally native vertical brand ): suas vendas são 100% online, ea divulgação é feita basicamente no Instagram, onde a startup tem mais de 500 mil seguidores.


O preço já não parece ser um impeditivo. Cada shampoo em barra de 80 gramas sai por R$ 43 e, segundo a empresa, rende o equivalente a dois shampoos de 200 ml. Em marcas como L'Oréal e Procter, cada garrafa sai por cerca de R$ 15-20.


A empresa vai utilizar os recursos da rodada para aumentar os investimentos em marketing digital e ampliar o portfólio de produtos.


“Nosso objetivo é que o brasileiro pode ter um banheiro sem nenhum plástico”, Andreia Quércia, a cofundadora, disse ao Brazil Journal . “Por isso, precisamos criar um portfólio completo de produtos em barra e 'waterless' .”


Por enquanto, a BOB vende uma linha de cinco shampoos, três condicionadores, duas máscaras de tratamento capilar e barras de limpeza facial — além de uma linha kids e de um sabonete íntimo.


O plano é ampliar a linha de skincare e entrar também em bodycare .


A BOB começou a operar há dois anos, mas é fruto de um trabalho anterior de pesquisa e desenvolvimento dos fundadores. Da começar a vender o produto, foram outros anos com ideia de fabricação como fórmulas, e a partir de dois anos de montagem.


“Os shampoos e condicionadores em barra já existem algum tempo, mas sempre [foram] uma produção extremamente artesanal, era tudo feito a mão”, disse Victor Falzoni, o outro fundador.


A grande inovação da BOB foi conseguir escalar o negócio, rompendo uma barreira da fabricação e da comunicação do produto com os consumidores brasileiros, que ainda não estão acostumados a lavar o cabelo com uma barra.


Mais recentemente, as grandes empresas de cosméticos também começaram a olhar para esse mercado.

O Boticário lançou há três meses um shampoo em barra dentro de uma de suas marcas, e a Natura também investiu recentemente numa linha de shampoos em barra.


Leia mais em Brazil Journal

Posts Em Destaque
Ainda não há posts publicados nesse idioma
Fique ligado...
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square