O M&A do colágeno: Darling Ingredients compra brasileira Gelnex por R$ 6,4 bilhõesEste trecho é p





A americana Darling Ingredients acaba de fechar a aquisição da brasileira Gelnex por US$ 1,2 bilhão – equivalente a R$ 6,4 bilhões no câmbio atual - que serão pagos em dinheiro. É a maior transação de consumo no país este ano, amarrada por Santander na ponta vendedora e Morgan Stanley pela compradora.


As duas gigantes são pouco conhecidas pelos consumidores, ainda que a maioria possivelmente já tenha consumido algum de seus produtos usados como insumos para as indústrias alimentícia, farmacêutica e cosmética.


A Gelnex é uma das maiores fabricantes globais de gelatina e peptídeos de colágeno, com quatro fábricas no Brasil, uma no Paraguai e outra nos Estados Unidos, e exportação para mais de 60 países – ingredientes usados em suplementos, barras de cereais, bebidas lácteas, balas, comprimidos e produtos de beleza. Fundada na catarinense Itá, tem capacidade para quase 50 mil toneladas/ano de colágeno.


No processo competitivo, a texana Darling desbancou as propostas de fundos de private equity internacionais e das gigantes de proteína - inclusive JBS e Marfrig, apurou o Pipeline. A relevância da matéria-prima da Gelnex, que são subprodutos de porco e boi, justifica o interesse das companhias de proteína, que viam elevada sinergia na operação.


A JBS começou a apostar no segmento este ano. Em agosto, anunciou um investimento de R$ 400 milhões em sua recém-criada Genu-In, com ambições de disputar mercado com a Rousselot, marca da Darling, e com a alemã Gelita. A Marfrig não faz uso desses subprodutos de pele suína e couro bovino, só vende - o que a levou a cogitar uma transação.


O negócio também acabou atraindo fundos internacionais pelo porte, já que não é tão comum alternativas de M&A no país com cheques acima de bilhão de dólares. A Gelnex era até agora controlada por três empresas de participações, a Gel Holdings, Ibo Participações e Itá Investors, representadas pelo grupo de diretores mas detidas por um empresário local.


A Darling atua também em outros segmentos, transformando subprodutos comestíveis e resíduos de alimentos em produtos sustentáveis e em energia renovável. É uma gigante com 250 fábricas em 17 países e reaproveita quase 15% dos resíduos da indústria de carnes do mundo em produtos como energia verde, diesel renovável, colágeno, fertilizantes e rações.


Essa é a segunda aquisição da texana no Brasil só neste ano, mercado considerado estratégico pelo CEO e chairman, Randall Stuewe. Em maio, a companhia anunciou a compra do grupo Fasa por R$ 2,8 bilhões (US$ 542,6 milhões na data) também em dinheiro.


“O Brasil vai ter um papel relevante na alimentação da crescente população mundial, o que o torna um local privilegiado para nosso negócio de ingredientes especiais”, disse no início do ano. Desta vez, Stuewe reforçou a aposta na demanda específica de colágeno. "Dado o forte crescimento global de demanda em produtos de saúde e nutrição, acreditamos que o mercado de peptídeos de colágeno deve dobrar em cinco anos", disse em nota.


Listada em bolsa americana, a Darling é avaliada em US$ 12,3 bilhões (cerca de R$ 65 bilhões). A proclamada sustentabilidade no negócio da empresa tem se refletido nos papéis: a ação saltou 340% em cinco anos. No ano, sobe 10%, ante queda de 23% do S&P500 e de 17% do Dow Jones.


O fechamento do negócio deve acontecer no início do ano que vem, após aprovações regulatórias.


Leia mais em Pipeline.


Posts Em Destaque
Ainda não há posts publicados nesse idioma
Fique ligado...
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square