Grupo Telefónica obtém retorno de €40 milhões sobre o investimento em 1.532 startups


O Telefónica Open Future_, programa global de inovação aberta e empreendedorismo do Grupo Telefónica (controlador da Vivo), contabilizou em 2016 um total de €166 milhões investidos em 1.532 startups desde o início do programa globalmente, em 2011, quando lançou a primeira aceleradora Wayra. Desse total, a companhia já obteve retorno de €40 milhões sobre o investimento realizado, ou o equivalente a 25%, por meio da venda de sua participação nas empresas que obtiveram sucesso e foram negociadas no mercado. Além das empresas que participaram do programa de aceleração da Wayra, o montante de recursos inclui investimentos feitos também pelo fundo Telefónica Ventures e pelos fundos Amérigo. No caso da Wayra, a operadora faz investimentos em novas empresas digitais em troca de participação acionária que varia entre 7% e 10%, com possibilidade de conversão por um período de até três anos. De acordo com Javier Placer, diretor global do Telefónica Open Future, em 2017 será mantido o ritmo de trabalho nas 11 aceleradoras Wayra fixadas em 10 países. Ele estima que o ritmo de saída das startups deverá crescer. "Existe cerca de 70 empresas, algumas muito grandes, nas quais o período de quatro ou cinco anos de permanência como sócios está se esgotando e o normal é que ocorram vendas ou saídas na bolsa da valores", explica o executivo. Programa se amplia no Brasil O Brasil é o quarto país com maior número de startups apoiadas desde 2012, quando foi criada a Wayra Brasil, com um total de 58 empresas no acumulado do período. Antes, aparecem Espanha (567 startups), Chile (375) e Reino Unido (120 empresas). Além da aceleradora, que já investiu R$ 9,2 milhões em quatro anos de operação no país, os Fundos Amérigo, que estão em sete países, investiu R$ 40 milhões em seis startups brasileiras, através da gestora de investimentos Invest Tech. As startups aceleradas pela Wayra já captaram outros R$ 64,4 milhões junto a investidores externos e 87,1% delas já comprovaram seu modelo de negócio e registra faturamento. Em 2016, o Open Future cresceu no país e começou a firmar parcerias para a implantação de espaços de crowdworking. Já neste primeiro ano, foram lançados quatro Crowds junto a parceiros de São Paulo, Minas Gerais e Paraná, que apoiam hoje 29 projetos com programa de pré-aceleração. Primeiro espaço lançado ano passado, o Crowd Vale da Eletrônica é fruto de parceria com o Inatel – Instituto Nacional de Telecomunicações – e a Ericsson, em Santa Rita do Sapucaí, Minas Gerais. Já o Paraná conta com dois espaços, o Crowd Londrina, em parceria com a UEL – Universidade Estadual de Londrina e o Sebrae Paraná, e o Crowd Hotmilk PUCPR, anunciado em dezembro junto com a Pontifícia Universidade Católica, em Curitiba. Em São Paulo, o Crowd Senac foi instalado em conjunto com o Centro Universitário Senac – Santo Amaro. "A proposta desses espaços é ajudar a impulsionar o talento local e incentivar jovens com vocação empreendedora a colocar em prática suas iniciativas de base tecnológica, fornecendo infraestrutura de espaço, suporte técnico e mentores capacitados a orientá-los no desenvolvimento de um novo negócio", ressalta Renato Valente, country manager do Open Future no Brasil.

Posts Em Destaque
Ainda não há posts publicados nesse idioma
Fique ligado...
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square