Bancos apostam que "efeito Trump" acelere M&A na America Latina

Os bancos de investimento acreditam que a eleição de Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos, que tem espalhado volatilidade nas taxas de câmbio, não vai ferir seu crescente negócio de assessoria de fusões e aquisições na América Latina. Pelo contrário. "Vemos interesse renovado em companhias da América Latina por parte de players estabelecidos em países desenvolvidos de todo o mundo", disse Carlos Medina, diretor da butique de investimento Greenhill & Co. "O enfraquecimento das moedas da América Latina favorece essa tendência." O dólar se valorizou após a eleição de Trump, com expectativas de que maiores investimentos por parte do governo americano beneficiem o crescimento da economia, tornando os produtos dos EUA mais caros. O peso mexicano perdeu 16 por cento, maior desvalorização entre as moedas de mercados emergentes depois dos 18 por cento da lira turca, segundo dados compilados pela Bloomberg. O peso argentino caiu 6 por cento. "Se você é um player estratégico em busca de oportunidades de investimento em setores como consumo ou saúde e tem uma visão de longo prazo, o peso mexicano desvalorizado oferece uma boa janela para investir", disse Mario Orozco, diretor da Greenhill. 'Ajustes' A mudança na relação entre EUA e México no tocante ao setor de manufatura também pode criar oportunidades, disse Medina, e "ajustes nos modelos de negócios das companhias podem exigir aquisições ou desinvestimentos". Uma onda de reestruturação de dívidas entre as companhias ajudou a ampliar as fusões e aquisições na América Latina em 29 por cento no ano passado, para US$ 160,2 bilhões, segundo dados compilados pela Bloomberg. No Brasil, a Operação Lava Jato e a pior recessão em décadas deixaram muitas empresas em uma crise de crédito, sem outras formas de captar dinheiro, e os negócios de fusões e aquisições cresceram 11,1 por cento no ano passado no país, para US$ 50,7 bilhões, mostram os dados. "No Brasil, há empresas precisando de liquidez sendo forçadas a desinvestir, seja por seu envolvimento no escândalo da Lava Jato, seja porque ficaram superalavancadas devido à redução das receitas e às altas taxas de juros", disse Renato Ejnisman, diretor-executivo do Banco Bradesco BBI. Ele citou a investigação contra corrupção na Petrobras. Oportunidades em infraestrutura Apesar de o real ter perdido apenas 1,3 por cento de seu valor em relação ao dólar desde a eleição dos EUA, o país está atraindo investidores graças à inflação menor e ao declínio dos juros em meio à retomada do crescimento econômico, disse Flávio Valadão, diretor-executivo e chefe de investment banking do Banco Santander no Brasil. O banco foi o maior assessor de fusões e aquisições no ranking do Brasil e da América Latina em 2016, mostram dados compilados pela Bloomberg. "Estados, cidades e o governo federal brasileiro, que estão em situação financeira delicada, também tentarão vender ativos para captar dinheiro", disse ele, acrescentando que "vamos ver muitas oportunidades em infraestrutura".

Posts Em Destaque
Posts em breve
Fique ligado...
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square