Patagon M&A - Healthcare - Estratégia do Fleury pode incluir aquisição


Fusões e Aquisições - Grupo Fleury

O grupo de medicina diagnóstica Fleury não descarta aquisições como parte de sua estratégia de crescimento. Com o reposicionamento realizado desde 2013, a companhia passou a ter um nível de alavancagem baixo e apresenta um bom nível de geração de caixa, o que poderia impulsionar novos negócios. A empresa encerrou o primeiro trimestre com lucro e receita em alta.

Durante teleconferência sobre os resultados na sextafeira, Carlos Marinelli, presidente do grupo, admitiu a possibilidade de aquisições, mas ressaltou que elas só serão feitas se forem compatíveis com premissas como capilaridade, compatibilidade de valores e cultura e posicionamento adequado. E considerando, principalmente, o retorno sobre o investimento. "Essa é uma variável chave", afirmou Marinelli. Em entrevista ao Valor após a teleconferência, ele reforçou o interesse em novas compras. Destacou que a companhia levou muito tempo para incorporar a rede de laboratórios do grupo D'Or, no Rio e que, durante o processo, "aprendeu muito" sobre esse tipo de operação.

A rede de medicina diagnóstica obteve um lucro líquido de R$ 44,7 milhões de janeiro a março, uma alta estimada em cerca de 40%, excluídos efeitos não recorrentes do primeiro trimestre do ano passado. No período, o resultado foi impactado em R$ 18,3 milhões pela adesão ao Programa de Parcelamento Incentivado da Prefeitura de São Paulo para quitação de débitos relativos à Taxa de Resíduos Sólidos da Saúde (TRSS), conhecida como taxa do lixo. Por isso, o aumento do lucro líquido registrado no balanço do primeiro trimestre de 2016 atingiu 233%.

A receita líquida da companhia somou R$ 507,9 milhões de janeiro a março, um avanço de 13,7%. Os lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) cresceram 67%, para R$ 121,7 milhões.

Marinelli atribuiu o desempenho ao foco no público de maior poder aquisitivo. "As quedas estão acontecendo mais nos segmentos de renda mais baixa. A renda mais alta está indo bem", disse.

Ele vê possibilidade de expansão tanto da rede 'a+', voltada ao consumidor de renda média-alta, quanto dos laboratórios Fleury, bandeira mais sofisticada do grupo. No fim do ano passado, a companhia projetou a abertura de nove unidades da marca a+ em São Paulo, 11 no Rio de Janeiro, 10 no Sul e 1 no Nordeste nos próximos cinco anos. Na sexta feira, Marinelli destacou São Paulo e o Paraná. A ideia é evitar regiões em que haja concentração de atendimento em apenas um plano de saúde. "Queremos evitar monopólios", disse.

Perguntado sobre o cenário para 2016, Marinelli afirmou que apesar de alguma perspectiva de melhora, com um certo alívio na cotação do dólar, ainda há muita incerteza.

Posts Em Destaque
Posts em breve
Fique ligado...
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square